CFP

Clube Filatélico de Portugal

História Postal de Angola (13) - Carimbos numéricos de duplo círculo PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Elder Manuel Pinto Correia   
Quarta, 27 Janeiro 2010 19:18

 

História Postal de Angola ( 13 )

Carimbos numéricos de duplo círculo

                                                                                                                                       Elder Correia 
                                                                                                                                          Elder Manuel Pinto Correia

 

 

1 – Introdução

                Desde 1986, aquando da publicação da obra “Marcas Postais de Angola” da autoria do ilustre filatelista Alexandre Guedes de Magalhães, que não aparece qualquer trabalho, versando o tema em título. Porque o trabalho, outrora elaborado, estava muito incompleto, decidi avançar com uma pesquisa mais aprofundada sobre a utilização daquelas marcas. Não foi um trabalho fácil, porquanto a distribuição das marcas era feita por ordens de serviço, emanadas da Repartição Superior dos Correios de Angola. A obra mais indicada para as pesquisas seria o Boletim Oficial de Angola, mas acontece, que sendo os anos de 1914 e 1915, aqueles em que a maioria dos carimbos foram atribuídos às estações postais, aquele boletim não foi publicado. Para além disso, a partir de 1918, a redistribuição de alguns poucos carimbos, entretanto devolvidos à Repartição Superior dos Correios, não o foi feito por Ordem de Serviço como estava regulamentado. Assim, embora quase completo, este trabalho ainda carece de mais investigação, principalmente no que concerne às marcas números 6, 7, 8, 17, 26, 35 e 37.

 

2 – Razões do aparecimento dos carimbos numéricos de duplo circulo

                A reforma dos Correios de Angola, encetada com a publicação dos “Regulamentos para o serviço de correios ultramarinos” no Boletim Oficial de Angola 19 Suplemento de 14 de Maio de 1903, determinou uma proliferação de estações postais de 3ª classe. Ainda sob os efeitos da Conferência de Berlim, que pelos artºs 34º e 35º do Acto Geral,  estabelecia só ser considera efectiva a ocupação territorial quando apoiada por factos positivos de administração e polícia, as entidades governativas procuram fazê-la pela criação de uma vasta rede de Postos Militares, aos quais normalmente agregavam uma estação postal de 3ª classe a cargo do comandante do posto. Para se aquilatar desta proliferação de estações postais vejamos o seu aparecimento pelo tempo:

                               1896    -      45                                                     1903     -     117                  

                               1897    -      45                                                     1904     -     118

                               1898    -      46                                                     1911     -     120

                               1899    -      46                                                     1912     -     121

                               1900    -      56                                                     1913     -     124

                               1901    -      56                                                     1916     -     126

                               1902    -      59

                Como se pode verificar, pela estatística apresentada, o ano de 1903 viu nascer 58 novas estações postais ou seja o dobro das existentes. Estas 58 novas estações postais criadas foram todas de 3ª classe e quase todas junto de Postos Militares e alguns Postos Civis. Eram estações exploradas sem encargo para os Correios, pois os militares ou os funcionários da administração civil o faziam gratuitamente.

                A maioria destas estações postais não tinham carimbos obliteradores, mas também não são conhecidas muitas obliterações manuscritas em Angola o que torna o facto misterioso. Como se marcavam as correspondências nestas estações? É evidente que também não se conhecem muitos exemplares circulados obliterados com as novas marcas numéricas entretanto atribuídas. Exceptuando as marcas numéricas 10, 18, 26, 28 e 35 das quais são conhecidas várias cartas, todas as outras numerações são extremamente raras, e de algumas não se conhece qualquer carta ou selo obliterados.


f1
Fig 1 – Carta remetida de Catota com estação postal em Chitembo à qual foi atribuída a marca numérica 7.
 

                Assim para dotar algumas destas estações postais com marcas obliteradoras, remediar de imediato algum acidente em carimbo em uso, ou para uso em novas estações postais entretanto criadas, foram adquiridos numa primeira compra 20 exemplares de carimbos numerados de 1 a 20. Pela Ordem de Serviço nº. 284 da Repartição Superior dos Correios de Angola de 05.08.1913 que transcrevemos de seguida foram oficialmente consagrados os carimbos numéricos de duplo circulo:

                “Tendo sido adquiridos por esta repartição para fornecimento às estações que os não possuam, 20 carimbos para inutilização de selos e igual número de sinetes para lacre, numerados de 1 a 20, conforme os modelos afixados nesta ordem de serviço e que acabam de dar entrada no respectivo depósito, determino que, sempre que alguns desses carimbos ou sinetes seja fornecido a qualquer estação, se faça constar em ordem de serviço os respectivos números e os nomes das estações a que foram fornecidos, para conhecimento do pessoal e devidos efeitos. Estes carimbos e sinetes serão fornecidos nos termos usuais do fornecimento de impressos, material e expediente e serão aumentados à carga das estações que os requisitarem.

Repartição Superior dos Correios de Angola, em Loanda, 5 de Agosto de 1913. = O Director, Leopoldo Carlos Madeira.

                Logo pela Ordem de Serviço 285, da mesma data, foram distribuídos os primeiros 5 carimbos e sinetes às estações postais de Cuamato, Quipungo, Capelongo e Cassinga no Distrito da Huíla, e à estação da Ilha de Luanda.

                Em pouco mais de meio ano foram distribuídos os 20 carimbos, pelo que foram adquiridos mais 10 exemplares numerados de 21 a 30, em finais de 1915. Em Março de 1916 esgotou-se novamente o stock de carimbos, pelo que nova aquisição de 10 exemplares numerados de 31 a 40 foi efectuada, começando a sua distribuição em Setembro de 1916.

 

3 – Morfologia dos carimbos

                Há três tipos distintos de carimbos numéricos de duplo círculo, que correspondem às três aquisições efectuadas. Não houve a preocupação nas novas aquisições de se manter a morfologia dos primitivos 20 carimbos.

 

a)      – Tipo 1

Corresponde aos primeiros 20 carimbos numerados de 1 a 20. São constituídos por dois círculos concêntricos , com 26 mm de diâmetro no circulo maior, e o número na parte superior da coroa circular. Datador ao centro em algarismos árabes , sendo o ano representado por dois algarismos. Como legenda lê-se “ PROVINCIA DE ANGOLA” em cima e “CORREIO” em baixo.

 

b)      – Tipo 2

Corresponde aos segundos 10 carimbos numerados de 21 a 30. Tal como os primeiros são constituídos por dois círculos concêntricos, com 26 mm de diâmetro no circulo maior e número na parte superior da coroa circular. A legenda superior também é igual, diferindo apenas do tipo 1 por a legenda inferior conter a palavra “CORREIOS” em vez de “CORREIO”.

 

c)      – Tipo 3

Pertencem a este tipo os 10 carimbos numerados de 31 a 40. Em relação ao tipo 2, estes carimbos apenas diferem no diâmetro do circulo maior que é de 31 mm.


Tipos 

 

 

4 – Breve descrição das estações a quem foram atribuídas as marcas

1 – Cuamato – Posto administrativo da Circunscrição do Baixo Cunene, no Distrito da Huíla. Em 1898 Artur de Paiva, que operava no Humbe, pretendeu atravessar o Cunene para subjugar os cuamatos, não tendo contudo levado a efeito as suas pretenções devido ao estado depauperado das suas tropas. Em 1904 fez-se nova tentativa através de uma força comandada pelo Governador da Huíla, capitão José Maria de Aguiar, com cerca de 500 homens. Atravessado o rio Cunene em 19 de Setembro foram as forças surpreendidas no lugar de Mata-Bindane e quase inteiramente aniquiladas. Sendo indispensável uma punição aos cuamatos bem como a ocupação do Ovampo para satisfação de compromissos internacionais resultantes da Conferência de Berlim, em 20 de Agosto uma força comandada pelo Capitão do Estado Maior José Augusto Alves Roçadas inicia uma campanha militar que terminaria em 4 de Outubro de 1907 com a subjugação de todo o Cuamato, que passou a ter como sede o Forte Cuamato onde se criou ainda em 1907 uma estação postal de 3ª categoria a cargo do comandante do posto militar. Por Ordem de Serviço nº 285 de 05.08.1913 foi distribuído à estação postal do Cuamato o carimbo e sinete nº.1 que se manteve sempre na estação.

2 – Quipungo –  O posto militar de Quipungo foi instalado por ocasião das operações de 1901, e oficialmente criado por Portaria Provincial 484 de 13.11.1903, numa região considerada pobre e que não tinha comunicações, com a finalidade de submeter os sobas locais mas também para barrar as freqüentes incursões dos Cuanhamas, tendo a sua guarnição de ser freqüentemente reforçada para manter ao comércio a liberdade dos caminhos. Por portaria provincial 414 de 18.05.1910 publicada no Boletim Oficial nº. 21 de 21.05.1910 foi criada uma estação postal de 3ª classe a cargo do comandante do posto militar. Por Ordem de Serviço nº 285 de 05.08.1913 foi distribuído o carimbo e sinete nº 2 que se manteve sempre na estação postal.


f2
Fig 2 – Carta remetida de Marimba, estação postal de 3ª classe obliterada com marca numérica 37.
 

3 – Capelongo – Os indígenas que se fixavam na região eram oriundos da margem esquerda do Rio Cunene sendo fustigados regularmente pelos Cuanhamas. Não podendo opor-se a estes acabaram por tomar o partido de lhes dar guarida e auxílio. Com o intuito de terminar com as incursões dos Cuanhamas foi criado por Portaria Provincial 484 de 13.11.1903 um posto militar no vau de Capelongo. Por Portaria Provincial 414 de 18.05.1910 publicada no Boletim Oficial de Angola nº 21 de 21.05.1910 foi criada uma estação postal de 3ª classe a cargo do comandante do posto militar. Pela Ordem de Serviço nº 285 de 05.08.1913 foram distribuídos a título definitivo o carimbo e sinete nº. 3.

4 – Cassinga – Já em 1885 aqui existia uma missão de Padres do Espírito Santo e quando, para salvar o Presídio de Caconda, a coluna militar comandada por Artur de Paiva atingiu este ponto, instalou aqui um forte pobremente guarnecido. Também conhecido por posto Artur de Paiva, foi reconhecido oficialmente como Posto Militar pela Portaria 97 de 1909 (B.O. 5). Em18 de Maio de 1910 pela Portaria Provincial nº 414 publicada no Boletim Oficial de Angola nº 21 de 21.05.1910 foi criada a estação postal de 3ª classe no posto militar de Cassinga a cargo do respectivo comandante. Pela Ordem de Serviço nº 285 de 05.08.1913 foi distribuído o carimbo e sinete nº. 4 a esta estação postal. Em Dezembro de 1916 foi levantado um auto de averiguações por o carimbo ter desaparecido da estação postal.

5 – Estação da Ilha – Em 1 de Abril de 1913 foi criada por Portaria Provincial publicada no Boletim Oficial de Angola nº 14 de 05.04.1913 a estação postal de 3ª classe na Ilha de Luanda. A estação abriu ao público em 1 de Junho de 1913, tendo sido atribuído a esta estação postal o carimbo e sinete nº. 5 pela Ordem de Serviço nº. 285 de 05.08.1913. O carimbo esteve apenas em uso até 30.06.1916 data do encerramento desta estação postal.

                               * Calunga – Posto Militar da Circunscrição do Golundo Alto do então Distrito do Quanza, criado pela Portaria Provincial 747 de 03.07.1913. A partir de 16.11.1914 passou a Posto Civil. Também povoação comercial de 4ª categoria com apenas uma casa comercial e estação postal de 3ª classe desde 1912. Por Ordem de Serviço nº 338 de 25.11.1916 foi-lhe atribuído o carimbo e sinete nº. 5, anteriormente utilizado na Estação da Ilha-

6 – Lungué Bungo – Povoação de 4ª classe também conhecida por Muangai na margem do Rio Lungué Bungo no então alargado Distrito de Benguela. Estação postal de 3ª classe criada por Portaria Provincial publicada no Boletim Oficial nº. 17 de 26.04.1913 a cargo do capitão-mor do posto militar. Foi-lhe atribuído o carimbo e sinete nº 6 pela Ordem de Serviço nº. 301 de 23.08.1913.

                               * Cassamba –  Com o encerramento da Capitania-Mor de Lungué-Bungo a sede da Circunscrição mudou para Cassamba por Decreto 353 de 10.09.1922, assim como a Estação Postal de 3ª classe, que passou a utilizar o mesmo carimbo e sinete na sua nova localização. É conhecida uma carta registada de 16.12.1931, remetida desta estação com este carimbo.

7 – Cachingues – Posto civil e povoação de 4ª classe do então Distrito de Benguela, com apenas uma casa comercial junto à Missão de Nossa Senhora do Rosário ( 20 kms ) criada em 1892. Foi transformado em Posto Militar, por Portaria de 01.19.1915, voltando a posto civil poucos meses depois ( 14.12.1915 ). Estação postal de 3ª classe criada por Portaria Provincial publicada no Boletim Oficial nº 17 de 26.04.1913. Pela Ordem de Serviço nº. 301 de 1913 foi atribuído  carimbo e sinete nº. 7.

                                * Chitembo – Foi antigo Posto Militar, criado pela Portaria Provincial de 05.08.1914 ( B.O. 32 ). O Posto de Cachingues mudou a sua sede para Chitembo, por Portaria 134 de 13.07.1923 ( B.O. 33 ), provocando a mudança da estação postal para esta nova localidade. A estação criada pela Portaria Provincial 50 de 01.03.1923 ( B.O. 10 de 03.03.1923 ) também era de 3ª classe. É conhecida uma carta circulada e obliterada com este carimbo em Chitembo e datada de 02.05.1949.

8 – Canhoca – Estação do Caminho de Ferro de Luanda ao Km. 208, e entroncamento do ramal ferroviário do Golungo Alto. Povoação de 4ª classe do Distrito do Quanza com uma casa comercial e uma fazenda agrícola importante pertencente à Sociedade Agrícola do Lucala. Estação postal de 3ª classe desde 1912, tendo sido servida até este ano por ambulância postal ferroviária. Pela Ordem de Serviço nº. 329 de 29.09.1913 foi-lhe distribuído o carimbo e sinete nº. 8.


f3
Fig 3 – Carta remetida de Benguela-Velha posteriormente denominada Porto Amboim, obliterada com carimbo numérico 39, atribuído a esta estação pela Ordem de Serviço 97 de 23.03.1917
 

9 – Bembe – Povoação comercial de 4ª categoria do então Distrito do Congo. Região notável pelos jazigos cupríferos distando 200 kms a NE do Ambriz, que desde o Séc. XVI eram explorados pelas populações indígenas. Bembe foi Comando Militar, dependente de S. Salvador por Portaria de 24.12.1903, tendo sido transformado em Capitania-Mor por Portaria 730 de 27.06.1913 Estação postal de 3ª classe criada por Portaria Provincial nº. 1134 de 02.10.1913 publicada no Boletim Oficial de Angola nº 41 de 04.10.1913, a cargo do Capitão-Mor. Pela Ordem de Serviço nº. 344 de 14.10.1913 foi atribuído carimbo e sinete nº. 9. Em 15 de Dezembro de 1916 foi instaurado auto de averiguações pelo desaparecimento do carimbo da estação postal. Comprovado o desaparecimento do carimbo, foi atribuído um novo carimbo e sinete com o nº. 19.

10 – Vila Arriaga – Vila e sede da circunscrição da Bibala no Distrito de Moçamedes ao Km. 169 do Caminho de Ferro de Moçamedes. Vila Arriaga foi criada para ser Estação Terminus daquela linha ferroviária. Estação Postal de 3ª classe criada em 1912 com a  chegada da via férrea. Pela Ordem de Serviço nº. 351 de 24.10.1913 foi atribuído o carimbo e sinete nº. 10. Em 1930 ainda estava em uso nesta estação.


f4
Fig. 4 – Carta remetida registada de Cassamba, estação postal de 3ª classe obliterada com carimbo numérico 6.
 

11 – Samba Cajú – Povoação comercial de 4ª categoria, sede do posto do mesmo nome, Distrito do Quanza. Por Portaria 832 de 01.08.1911 passou a sede de Circunscrição, convertido provisoriamente em comando militar em 13.04.1915 e extinto o comando em 26.11.1916. Estação postal de 3ª classe criada em 1908 e encerrada pela Portaria 37 de 08.02.1923 ( B.O. 7 de 17.03.1923 ). Pela Ordem de Serviço nº. 355 de 10.11.1913 foi atribuído carimbo e sinete com o nº. 11.

                                * Caculo Cabaça – Em 1917 estabeleceu-se aqui um Posto Militar sob a jurisdição de Samba Caju ( Portaria 78 de 18.05.1917 – B.O. 17 ). Em 1923 após o encerramento da estação de Samba Cajú foi criada uma Estação Postal de 3ª classe, tendo-se transferido o carimbo da estação de Samba Caju. É conhecido um inteiro postal circulado com o carimbo numérico nesta estação postal em 30.03.1921.

12 – Cuíma – Foi criado, como Posto Militar, em 1902, delimitado em 30.09.1903 por Portaria, com o fim de estabelecer a ligação entre Caconda e o Bié, por ocasião da revolta dos Bailundos. Estação Postal de 3ª classe desde 1907. Foi atribuído carimbo e sinete com o nº. 12 pela Ordem de Serviço nº 403 de 11.12.1913.

13 – Maquela do Zombo – Povoação comercial de 3ª categoria do então Distrito do Congo na Intendência de Fronteira. Foi primitivamente Posto Militar do Bongue, criado por Portaria Provincial 30 de 30.01.1896. Estação postal de 2ª classe criada pela Portaria 123 de 11.06.1885 publicada no B.O. 885 de 15.06.1885. Pela Ordem de Serviço nº 11 de 13.01.1914 foi atribuído carimbo e sinete nº. 13.

14 – Mucula – Antigo Posto Militar, criado e instalado na costa do Ambrizete, para protecção das feitorias comerciais da costa, pouco depois de 1888 e suprimido com a reorganização de 1913. Povoação comercial de 4ª categoria com 4 casas comerciais. Estação postal de 3ª classe desde 1891. Foi atribuído o carimbo e sinete nº 14 pela Ordem de Serviço nº. 381 de 27.11.1913.

15 – Icolo e Bengo ( Cabiri ) – Povoação comercial de 4ª categoria, sede do posto administrativo do mesmo nome, estação do Caminho de Ferro de Luanda, ramal do Bengo, distando 69 kms de Luanda. Estação postal de 2ª classe criada pela Portaria 123 de 11.06.1885 publicada no B.O. 885 de 15.06.1885. Pela Ordem de Serviço nº. 21 de 03.02.1914 foi atribuído carimbo e sinete nº 15. Em Dezembro de 1916 o carimbo e sinete recolheram à Repartição Superior dos Correios, por estar inutilizado,

16 – Bimbe – Povoação comercial de 4ª categoria no então Distrito de Benguela. Entre os focos da revolução de 1902 do Bailundo, o da região do Bimbe figurou como principal, tendo como centro a embala do soba Moma. O Governador de Benguela, major Eduardo Costa organizou uma expedição que sob o comando do Capitão Romeiras de Macedo em Março de 1903 bateu os revoltosos e estabeleceu um posto militar ( 15.01.1914 – B.O.3 ) guarnecido por duas peças de artilharia. Em 1913 foi criada uma estação postal de 3ª classe a cargo do comandante do posto militar. Pela Ordem de Serviço nº. 31 de 10.02.1914 foi atribuído carimbo e sinete nº. 16.

17 – N`Data Tando – Povoação comercial de 2ª categoria do então Distrito do Quanza, chamou-se primeiro N`Dala Tando ( em quimbundo significa “cobra em cima de pedra” ), depois Dala Tando, a seguir Dalatando e em 1936 passou a Vila Salazar. Estação do Caminho de Ferro de Luanda ao km 242. Estação postal de 2ª classe criada em 1906. Pela Ordem de Serviço nº. 53 de 12.03.1914 foi atribuído carimbo e sinete nº. 17.

18 – Ganda – Povoação comercial de 2ª categoria, do Distrito de Benguela, estação do Caminho Ferro de Benguela ao km 254. Em 1915 foi criada a circunscrição civil da Ganda, sendo elevada a concelho em 1934 e em 1939 foi-lhe dado o nome de Vila Mariano Machado, em homenagem a este técnico, que teve grande preponderância na construção da linha ferroviária. Estação postal de 3ª classe criada em 1913. Pela Ordem de Serviço nº. 67 de 28.03.1914 foi atribuído carimbo e sinete nº. 18. Em 1935 ainda era utilizado o carimbo.

19 – Bembe – Ver descrição do nº. 9 – Por ter desaparecido o carimbo nº. 9 anteriormente atribuído foi redistribuído novo carimbo e sinete com o nº 19 por Ordem de Serviço nº. 96 de 18.04.1914.

20 – Humbe – O antigo forte do Humbe foi fundado, na margem direita do Rio Cunene, em 1857. Povoação comercial de 4ª categoria da circunscrição do Cuamato, então Distrito da Huíla. Localidade preponderante na conquista do sul de Angola com 4 casas comerciais. Estação Postal de 3ª classe criada em 1892 a cargo do comandante do posto militar. Pela Ordem de Serviço nº 121 de 02.05.1914 foi atribuído carimbo e sinete com o nº. 20.


f5
Fig 5 – Carta remetida da estação postal de 3ª classe de Canhoca, obliterada com carimbo numérico 8, atribuído pela Ordem de Serviço nº 329 de 19.09.1913.
 

21 – Forte Roçadas – Localidade fortificada na margem esquerda do Rio Cunene, região do Cuanhama, perto do Humbe no então Distrito da Huíla. Deve o seu nome ao General José Augusto Alves Roçadas, então Capitão e Governador do Distrito da Huíla que o mandou construir. Estação postal de 3ª classe criada pela Portaria Provincial nº. 96 de 19.04.1916. Pela Ordem de Serviço nº. 234 de 01.18.1916 foi atribuído carimbo e sinete nº. 21.

22 – Catete – Posto de Polícia Civil criado por Portaria de 27.06.1913, povoação comercial de 3ª categoria do então Distrito do Quanza e estação do Caminho Ferro de Luanda ao km. 74. Estação Postal de 3ª classe criada por Portaria Provincial nº. 936 de 28.09.1915 a cargo do comandante do Posto de Polícia. Pela Ordem de Serviço nº. 140 de 20.10.1915 foi atribuído carimbo e sinete nº. 22.

23 – Lela – Antigo Posto Administrativo do Concelho de Cacongo, depois denominado Posto do Dinge. Foi Posto Militar criado por Portaria Provincial 308 sob o comando de um sargento, tendo passado a Posto Civil em 1922. Estação Postal de 3ª classe desde 1911 a cargo do comandante do posto militar. Pela Ordem de Serviço nº. 260 de 12.09.1916 foi atribuído o carimbo e sinete nº. 23.

 

f6
Fig 6 – Carta remetida registada de Nana-Candundo, estação postal de 3ª classe obliterada com carimbo numérico 32, atribuído pela Ordem de Serviço nº. 308 de 28.10.1916.
 

24 – Chiloango – Posto civil, da Circunscrição de Cacongo, junto ao Rio Chiloango no então Distrito do Congo, criado por Portaria Provincial nº. 730 de 27 Junho de 1913 ( B. O. 26 ). Anteriormente era apenas um forte militar com estação postal de 3ª classe criada em 1906 a cargo do comandante. Pela Ordem de Serviço nº. 260 de 12.09.1916 foi atribuído o carimbo e sinete nº. 24.

25 – Ambaca – Também conhecido como Pamba. Em 1838, estabeleceu-se em Ambaca a sede do antigo Distrito do Golungo Alto. Depois da instituição dos Concelhos a substituir os presídios e distritos, determinaram-se, em 1868, as divisões que deveriam compor aqueles, ficando o Concelho de Ambaca com 11 divisões. Por Portaria 832 de 01.08.1911, Ambaca passou a ser considerado Circunscrição Civil, juntamente com Casengo e Golungo Alto. A partir de 1914 foi esta circunscrição suprimida e passou para a nova Circunscrição de Samba Caju. Estação do Caminho de Ferro de Luanda ao km 277. Foi criada uma estação postal de 1ª classe pela Portaria 123 de 11.06.1885 publicada no B.O. 885 de 15.06.1885 sendo desclassificada para 3ª classe em 1902. Pela Ordem de Serviço nº. 202 de 12.12.1915 foi atribuído carimbo e sinete com o nº. 25.

26 – Cidade Alta – Estação Postal de 1ª classe criada em Dezembro de 1915 na parte alta da Cidade de Luanda. Pela Ordem de Serviço nº 1 de 03.01.1916 foi atribuído carimbo e sinete com o nº. 26. A marca apenas esteve em uso nesta estação até 31.08.1916, por lhe ter sido atribuído carimbo definitivo.

                               * Caculo Caenda – Antiga Capitania-Mor que passou para Quibaxe por Portaria 125 de 28.04.1920. Foi em tempos remotos, a sede de uma grande e destemida Divisão de empacasseiros, que serviam de auxiliares nas guerras de conquista e ocupação e muitas vezes encarregues de transportar as malas de correio. Estação Postal de 3ª classe criada pela Portaria Provincial nº. 81 de 18.01.1912 ( B.O. 03 de 20.01.12 ) a cargo do comandante do forte e encerrada pela Portaria 225 de 12.12.1922 ( B.O. 50 de 16.12.1916 ). Pela Ordem de Serviço nº. 261 de 13.09.1916 atribuído carimbo e sinete com o nº. 26 anteriormente distribuídos à Estação Postal Cidade Alta.

27 – Quimbumbe – Povoação comercial de 4ª categoria e antigo posto do Concelho do Ambriz do então Distrito do Quanza. Estação Postal de 3ª classe criada em 1916. Pela Ordem de Serviço nº. 75 de 10.03.1916 foi atribuído carimbo e sinete com o nº. 27.

28 – Andulo – Antigo Posto Civil do então Distrito de Benguela, depois do novo Distrito do Bié. Povoação de 4ª categoria ao longo do Caminho de Ferro de Benguela, passou a chamar-se Vouga por Portaria 56 publicada no B.O. 16 de 1925. Estação Postal de 3ª classe criada por Portaria Provincial 9 de 10.01.1916. Pela Ordem de Serviço nº. 76 de 10.03.1916 foi atribuído carimbo e sinete nº. 28. Em 16.04.1951 ainda era utilizado o carimbo na estação postal

29 – Gamba – Foi criada, como Posto de Polícia Civil, por Portaria 870, de 31.07.1913. Pertenceu ao antigo Distrito de Benguela, sendo depois integrado no novo Concelho de Nharea, Distrito do Bié. Estação Postal de 3ª classe criada por Portaria Provincial 9 de 10.01.1916, a cargo do comandante do Posto de Polícia Civil. Pela Ordem de Serviço nº. 76 de 10.03.1916 foi atribuído carimbo e sinete com o nº. 29.


f7
Fig 7 – Carta remetida do Andulo (28.01.46), estação postal de 3.ª classe, obliterada com carimbo numérico 28, atribuído pela Ordem de Serviço nº. 76 de 10.03.1916.
 

30 – Capunga – Povoação comercial de 4ª categoria do então Distrito do Quanza, depois integrada no novo Distrito de Malange. Estação Postal de 3ª classe criada pela Portaria Provincial 9 de 10.01.1916. Pela Ordem de Serviço nº. 76 de 10.03.1916 foi atribuído carimbo e sinete nº. 30.

31 – Muxima – Histórica povoação do Distrito do Quanza. Foi um presídio fundado em 1599, na margem esquerda do Rio Quanza. Tendo sido Massangano cercado pelo gentio em 1598, o capitão Baltazar Rebelo de Aragão foi em socorro da praça cercada que conseguiu libertar; e, para conter definitivamente em respeito os povos irrequietos da Quissama, fundou à sua custa a fortaleza de “Muxima”, cujo nome quer dizer “coração”. Estação Postal de 2ª classe criada pela Portaria 123 de 11.06.1885, publicada no B.O. 885 de 15.06.1885. Pela reforma postal de 01.06.1903 foi desclassificada para estação postal de 3ª. classe. Pela Ordem de Serviço nº. 265 de 13.09.1916 foi atribuído o carimbo e sinete nº. 31. Em 22.10.1930 ainda estavam em uso na estação postal.

32 – Nana Candundo – Foi Capitania-Mor por Portaria Provincial 275 de 01.01.1909 e mais tarde passou ao regime civil. Voltaria ao regime militar por Portaria 1062-E de 16.09.1912, tendo sido extinto em 22.04.1919 por Portaria 129, criando-se no seu lugar um Posto Civil por Declaração publicada no B.O. 43 de 1922. Em 03.06.1913 foi criada uma estação postal de 3ª classe a cargo do Tenente de Infantaria Gualdino Augusto Videira, comandante do posto militar; com passagem a posto civil passou a ser encarregado da estação postal o chefe de posto. Pela Ordem de Serviço nº. 308 de 28.10.1916 foi atribuído carimbo e sinete nº. 32. Em 18.03.1923 ainda estava em uso o carimbo

33 – Capixongo – Posto militar do então Distrito do Quanza e povoação comercial de 4ª categoria com apenas uma casa comercial. Foi criada pela Portaria Provincial 7 de 10.01.1916 uma Estação Postal de 3ª classe ficando encarregado gratuitamente os cidadãos Molares Abril & Irmão, únicos comerciantes estabelecidos na mesma localidade. Pela Ordem de Serviço 77 de 10.03.1916 foi atribuídos carimbo e sinete com o nº. 33.

34 – Senze do Itombe – Criado, como posto militar, por Portaria Provincial de 05.07.1913 ( B.O. 26, Suplemento ) e extinto pela Portaria 205, de 12.12.1917, tendo sido depois Posto Militar de 2 ª classe, acabou suprimido por Decreto 174 de 28.06.1922. Por confusão entre Senze e Zenza, consagrou-se o topónimo Zenza do Itombe e como o uso faz a lei…..Junto ao posto militar cresceu uma povoação de 4ª categoria. É estação do Caminho de Ferro de Luanda ao km 134 e inicial do ramal do Dondo, sendo portanto estação entroncamento. Estação Postal de 3ª classe criada em 21.06.1913 por Portaria publicada no B.O. 25 da mesma data, a cargo do comerciante Manuel Pinto Furtado. Pela Ordem de Serviço nº. 338 de 25.11.1916 foi atribuído carimbo e sinete nº. 34.


f8
Fig 8 – Postal ilustrado circulado de Caculo Cabaça em 14.11.28, obliterada com carimbo numérico 11, transferido da estação de Samba Cajú em 1923
 
 

35 – Icolo e Bengo ( Cabiri ) – Vide nº. 15. Por estar inutilizado o carimbo nº. 15, anteriormente distribuído, foram atribuído novo carimbo e sinete com o nº. 35 pela Ordem de Serviço nº. 342 de 09.12.1916.

                                * Dondeiro – Posto Administrativo da Circunscrição do Andulo e classificado de 1ª classe por Portaria 33 de 19.01.1921. Estação Postal de 3ª classe criada pela Portaria Provincial 231 de 20.12.1922 ( B.O. 52 de 30.12.1922 ). Conhecem-se cartas circuladas com o carimbo numérico nesta estação entre 19.11.34 a 24.07.36. Não foi possível apurar quando foram distribuídos o carimbo e sinete a esta estação postal.

36 – Mona Quimbundo – Criado um posto militar em 1912, foi depois convertido em Capitania-Mor por Portaria Provincial 239 de 08.12.1916 ( B.O. 49 ). Passou a chamar-se Posto de Quimbundo, por Portaria 59 de 03.03.1919 ( B.O. 10 ), voltando pouco tempo depois a chamar-se Posto de Mona Quimbundo. Em Dezembro de 1916 foi criada uma Estação Postal de 3ª classe a cargo do comandante de posto militar. Por Ordem de Serviço nº. 8 de 15.01.1917 foi atribuído carimbo e sinete com o nº. 36.

37 – Cuílo – Antigo Posto Militar, do Distrito da Lunda, criado por Portaria Provincial 280 de 17.06.1899, extinto por Portaria 3391 de 26.06.1940 e integrado o seu território na área do Posto de Caluango, da circunscrição de Camaxilo. Em 1909 foi criada uma Estação Postal de 3ª classe a cargo do comandante do posto militar. Pela Ordem de Serviço nº. 8 de 15.01.1917 foi atribuído carimbo e sinete nº. 37.

Mapa 1 – Distribuição geográfica das marcas numéricas

Mapa 1 
 

                 * Marimba – Marimba chamou-se, em tempos idos, “Posto de D. Amélia”,  tendo sido, durante muito tempo, sede da Circunscrição do Cambo. A povoação de Marimba, foi historicamente, muito importante por ter nas suas imediações o sobado de Cabombo, cujo soba se intitulava Rei dos Jingas. Marimba, denominou-se também Monteverde, teve o nome de Caombo voltando à antiga denominação de Marimba. Estação Postal de 3ª classe criada pela Portaria Provincial 228 de 24.11.1927 ( B.O. 47 de 26.11.1927 ). É conhecida uma carta circulada de Marimba com a marca numérica datada de 16.07.1945. Não foi possível apurar a data do inicio de utilização do carimbo.

38 – Cavúa – Não foi possível encontrar dados históricos acerca desta localidade em diversas pesquisas efectuadas. Não consta em nenhum dicionário corográfico, nem nas enciclopédias. As únicas referências encontradas foram: o sua inclusão pela primeira vez na lista de 31.12.1916 das estações postais da Província de Angola publicada no Boletim dos Correios de Angola de Abril de 1917; na Ordem de Serviço nº. 76 de 03.03.1917 pela qual lhe é atribuído carimbo e sinete com o nº. 38. Em ambas as referências situam esta localidade no antigo Distrito do Quanza, no qual se incluíam as regiões de Luanda e Malange.

39 – Benguela-Velha – Foi o primeiro forte construído a sul da foz do Rio Quanza pois data de 1587, embora pouco depois arrasado pelo gentio do Amboim e Seles. Em 1839 já havia instaladas algumas feitorias comerciais na região que foi pacificada por operações militares levadas a efeito em 1917. Pelo Decreto 352 de 10.09.1923 ( B.O. 38 ) foi a povoação de Benguela-Velha elevada à categoria de Vila com o nome de Porto Amboim. Foi criada uma Estação Postal de 3ª classe pela Portaria Provincial 731 de 26.08.1910 ( B.O. 35 de 27.08.1910 ).  Pela Ordem de Serviço nº. 97 de 23.03.1917 foi atribuído carimbo e sinete nº. 39.

40 – Bom Jesus – Primitivamente chamava-se Bruto ( possível corruptela de “Mbulutu” à propriedade de Bom Jesus que pertenceu a um dos extintos Conventos de Luanda, ficando no domínio directo da Mitra de Angola e Congo. Numa das escavações que um proprietário ou rendeiro, Feliciano da Silva Oliveira, fez, para os alicerces de uma casa, em Setembro de 1862, encontraram os trabalhadores uma imagem de Cristo, em marfim, muito bem esculpida. E como a imagem saiu intacta dos golpes de picareta que em sua volta se deram, logo o proprietário atribuiu o facto a um milagre. Restaurada a imagem em Lisboa foi ali novamente colocada para ser venerada sob o título de “ Bom Jesus Aparecido “. Estação Telegrafo-postal de 2ª classe criada pela Portaria 123 de 11.06.1885 publicada no B.O. 885 de 15.06.1885. Pela reforma postal de 01.06.1903 foi desclassificada para estação postal de 3ª classe. Pela Ordem de Serviço nº. 461 de 28.11.1917 foi atribuído carimbo e sinete com o nº. 40. Em 30.12.1928 ainda estava em uso a marca.

5 – Quadro resumo das estações com carimbos numéricos atribuídos

mapa2
Actualizado em Quarta, 27 Janeiro 2010 19:59
 

Procura

 
Joomla 1.5 Templates by Joomlashack